Locke

Estória. A base mais crua do cinema e a palavra que melhor define Locke. O segundo filme de Steven Knight é minimalista até dizer chega: um ator, um carro e uma estrada. Através de ligações telefônicas o diretor monta uma narrativa quase em tempo real, sem deixar cair a peteca.

Ao virar a chave do carro, Ivan Locke (Tom Hardy) tem a vida perfeita. Um excelente emprego, uma família em casa e o evento mais importante da carreira lhe esperando pela manhã. A estrada que o leva de Birmigham a Londres coloca a prova todas as relações na vida do engenheiro. Cada ligação recebida pelo bluetooth do carro aumenta a tensão do protagonista, ressuscitando receios passados.