Personal Shopper

personal2

Maureen (Kristen Stewart) vive em Paris e divide seu tempo entre o trabalho de personal shopper, servindo a uma jovem fashionista e suas habilidades como médium, quase inteiramente focadas em estabelecer contato com o irmão que faleceu recentemente. Ao começar a receber mensagens de um desconhecido, embarca em um thriller psicológico com desdobramentos envolvendo tanto sua vida profissional quanto pessoal.

Enquanto em Acima das Nuvens, trabalho anterior do cineasta francês, a protagonista batalhava contra o envelhecer, em Personal Shopper Assayas, que assina tanto o roteiro quanto a direção, traz uma protagonista que precisa deixar para trás a memória de um ente querido. Ambas lutam suas batalhas em refúgios: enquanto a primeira se isola nos Alpes suíços, a segunda agarra-se à cidade onde estão frescas as lembranças de quem perdeu.

Kristen Stewart tem evoluído em trabalhos recentes, mas ainda está longe de ser a grande promessa desta geração, como muitos colocam. É uma atriz limitada, cujas boas performances estão diretamente ligadas à escolha certa dos papéis. Falta a versatilidade necessária para que possa alcançar o próximo nível. A atriz ainda não é capaz de sustentar plenamente o papel de protagonista e faz com que seja mais fácil se desinteressar pela personagem que interpreta. Justiça seja feita, Stewart, aqui, não tem muito com o que trabalhar. Maureen é uma personagem rasa, que ameaça aprofundar questões existenciais interessantes, sem nunca realmente fazê-lo.

Se há algo há ser ressaltado em Personal Shopper é o recurso de ilustrar os diálogos entre presa e predador através da tela de um celular. A troca de mensagens é eficaz em criar a tensão necessária para que se torne ligeiramente crível a premissa da relação entre os dois. A forma como as interações entre os dois são registradas em tela mostra como é possível utilizar o celular como recurso narrativo sem cair na estética de filmes para um público mais jovem, que abusam da técnica.

O que fica é a impressão de que Personal Shopper é uma colcha de retalhos. É difícil entender as escolhas de Assayas, que picota a narrativa, adicionando sem pudor, privando a trama da unicidade necessária para contar decentemente ao menos um dos vários enredos paralelos. O filme se arrasta, sem nunca realmente engatar. Ao mirar na complexidade de uma trama sustentada pelo malabarismo, o diretor acertou na confusão de uma estória sem eira nem beira, que, ao terminar, deixa um rastro de falhas narrativas. Não funciona.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s